ANDI - Agência de Notícias dos Direitos da Infância

http://www.andi.org.br/

Saiba tudo sobre a situação da criança no mundo. Clik aqui para traduzir o Blog. Obrigado.

Clik para ouvir !!!

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Depois perguntam porque os policias ficam desmotivados: Operação policial na cracolândia termina com fuga em massa dos detidos

Esta notícia choca a sociedade brasileira e ao mesmo tempo mostra claramente como nós mesmos fabricamos nossas desgraças.
Se todos cooperarem e não se ocultarem, faremos um lugar melhor para se viver.
Mas tem que combater os corruptos, ainda que toda uma geração tenha que ser colocada atrás das grades.

Ed

25/02/2010 - 18h58


Arthur Guimarães

Do UOL Notícias

Em São Paulo

Detidos por uma operação policial contra o tráfico de crack na região conhecida como Cracolândia, os usuários de drogas foram recolhidos pelas autoridades em vários pontos do centro da cidade, mas acabaram liberados após falta de atendimento
De mãos dadas, sob escolta armada, mas nem por isso em silêncio, os “nóias” foram enfileirados na região da Luz na tarde desta quinta-feira (25). Detidos por uma operação policial desencadeada pela Polícia Civil de São Paulo contra o tráfico de crack na região conhecida como Cracolândia, os usuários de drogas foram recolhidos pelas autoridades em vários pontos do centro da cidade.

Em grupos vindos de cada local de abordagem, todos eram reunidos perto da estação da Luz e formavam um séquito de maltrapilhos. Crianças, idosos, rapazes e moças, muitos ainda alucinados pelo narcótico, se juntavam e seguiam as ordens passadas pelos homens do Grupo de Operações Especiais (GOE), que ostentavam armas pesadas e vestimentas dignas de guerra.
Mesmo com a repressão e os comandos dados por gritos, os viciados não davam sossego. Uns brigavam. Outros não param de revirar seus pertences. Alguns mais exaltados não conseguiam parar no lugar. Se coçavam, passavam a mão no cabelo seguidamente, freneticamente, em uma espécie de compulsão que só fazia os homens do GOE ficarem mais irritados.
Após a prisão de alguns traficantes e da apreensão de boa quantidade de entorpecente, em uma marcha lenta de quase 50 pessoas, todos foram levados para a praça Coração de Jesus, tradicional ponto de encontro dos agentes da secretaria de saúde que atendem os drogados - e os encaminham para os serviços especializados em desintoxicação.
Ao chegar lá, no entanto, o que se observou foi uma desordem de dar inveja aos crackeiros. Como relataram os próprios policiais, os agentes de saúde que estavam nas redondezas “foram embora”. Nenhum policial oficialmente, em entrevista, declarou abertamente esse descontentamento. Mas pelo menos cinco policiais confirmaram ao UOL Notícias, pedindo para não serem identificados, que realmente houve uma evasão pouco antes da chegada do contingente de “pacientes”.
Quando perceberam que não haveria atendimento aos detidos, os homens do GOE tentaram contornar a situação. Mandaram todos sentar na base da Guarda Civil Metropolitana (GCM), davam broncas, organizavam a bagunça criada por 50 detidos – a maioria drogada – que não via a hora de voltar para o consumo da substância ilícita.
Em menos de 20 minutos, sem que a imprensa percebesse a movimentação, os policiais deixaram o local. Largaram a “bronca” para os guardas metropolitanos, que não escondiam o espanto com o “presente” que receberam. Vendo que o controle pesado havia ido embora, os “nóias” começaram a se movimentar. Desacostumados a lidar com um grupo tão grande de viciados, os GCMs ficaram nitidamente horrorizados.
Alguns crackeiros começaram a, sorrateiramente, sair do local. Iam andando pelos cantos e saiam pelo portão. Aos poucos, essa fuga ganhou corpo. Em instantes, uma verdadeira passeata superou a frágil barreira e tomou as ruas novamente.
Apesar da alegação de que traficantes foram presos, a reportagem presenciou minutos depois o movimento na Cracolândia ressurgir. Os mesmos homens que estavam detidos e escoltados, em minutos, estavam livremente vendendo e usando a droga. Voltaram para os mesmos lugares, para o mesmo vício, para a mesma vida, na mesma calçada que os policiais “varreram” horas antes.

Outro lado

Procurada para comentar a relatada omissão no atendimento, a Secretaria Municipal de Saúde emitiu uma nota em que não trata dessa questão específica e não confirma se a operação da polícia era de conhecimento do órgão.
A secretaria informou apenas que, desde o dia 22 de julho de 2009, quando foi implantada, a Ação Integrada Centro Legal realizou, por meio dos agentes de Saúde e Ação Social, 64.957 abordagens, 3.141 encaminhamentos de usuários às unidades de saúde e 190 internações.
Segundo o órgão, a prefeitura tem atuado de maneira estratégica na região central de São Paulo. Desde 2008, diz a nota, agentes comunitários da Estratégia de Saúde da Família (ESF), em conjunto com equipes de assistentes sociais, têm realizado diariamente abordagens junto aos usuários de drogas que vivem no local.
Procurado, o delegado responsável pela operação de hoje ainda não atendeu a reportagem do UOL.

Nenhum comentário:

Postar um comentário