ANDI - Agência de Notícias dos Direitos da Infância

http://www.andi.org.br/

Saiba tudo sobre a situação da criança no mundo. Clik aqui para traduzir o Blog. Obrigado.

Clik para ouvir !!!

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Brasil perde doze posições em ranking de educação

Sabemos que a Educação brasileira deixou de ser, há muito tempo, parceira da criança e do adolescente.

O que ocorre de fato é que crianças analfabetas são aprovadas e passam para série seguinte.
Se esta estatística abaixo está certa, então o Brasil está pior ainda na Educação.
Um país cujas prioridades são a corrupção, a falta de responsabilidade para com a educação, saúde, moradia e alimentação, está condenando sua população à escravidão.
O Brasil se esforça muito para manter e se possível, aumentar as classes C, D e E da população, reservando a classe B para administrar as ordens vindas da classe A.
Não há interesse algum de mudança neste quadro por parte de nossos governantes.
Nos corredores da faculdade de Educação da USP, isso é chamado de "currículo oculto".
Com a palavra os políticos e a classe rica do Brasil...!

Um dos piores indicadores mostrados no relatório da Unesco é a repetência.

O Brasil perdeu doze posições no índice de educação feito pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco). A queda, do 76º para o 88º lugar entre 128 países, ocorreu principalmente em razão da piora no índice de crianças que chegam até a quarta série. Segundo a Unesco, de 80,5%, em 2005, o percentual caiu em 2007 para 75,6%. Um dos piores indicadores brasileiros mostrados pelo relatório é a repetência. Para o coordenador da Unesco no Brasil, Paolo Fontani, apesar da alta taxa de repetência, o país foi bem avaliado no combate ao analfabetismo e na distribuição de recursos. O Ministério da Educação (MEC) disse que está analisando os números, e que eles se referem ao período anterior ao lançamento do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) que ocorreu em 2007.


[Folha de São Paulo (SP) – 21/01/2010]

Nenhum comentário:

Postar um comentário